Voluntários levam música a pacientes de hospitais no Amapá


Por Joice batista





Com um violão, um Cajón (instrumento de percussão) e um pandeiro meia lua, voluntários do projeto Músico Terapia levam alegria às pessoas em tratamento em unidades hospitalares de Macapá e Santana, fazendo com que o ambiente marcado pela tristeza, seja preenchido com sorrisos.

A equipe é composta atualmente por Alisson Porto, de 30 anos, Marcos Fernandes de Almeida, de 35 anos, Bia Amaral, de 29 anos, Djéssica Gomes e Dora Makathiney, de 32 anos, que fazem esse trabalho há cerca de nove meses, doando um pouco do seu tempo em prol do próximo.

Como o próprio nome diz, a iniciativa funciona como uma terapia, levando boas sensações através da música para auxiliar no tratamento de diversas enfermidades e contribuir para o bem estar dos pacientes. “A música em si, além de descontrair, é um remédio. Isso já foi constatado por pesquisas e tem resultados positivos tanto psicologicamente quanto no combate à doença”, diz Alisson.




O Bem Tucuju acompanhou uma visita do grupo à Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) e constatou esse poder da música na vida das pessoas. Mesmo não podendo fazer muitos movimentos por conta da medicação que estavam recebendo, as 10 pessoas que estavam em uma sala da unidade na tarde da última quinta-feira, 28 de junho, mostraram sorrisos e até arriscaram cantar junto.

“Eles nos alegram muito. As vezes a gente fica aqui sozinho, para baixo, triste, debilitado. Então, a iniciativa deles é muito linda, emocionante e traz alegria, paz e esperança”, afirmou Valdirene Oliveira de Matos, de 46 anos, que está em tratamento na Unacon  há 3 meses.



“O que move o trabalho é esse prêmio, de ver que a pessoa mesmo doente, está sorrindo, de ver que a música traz uma coisa boa para ela”, fala Marcos Almeida sobre a reação dos pacientes durante as apresentações.

Quem trabalha diretamente com os pacientes também tem comprovado a eficácia da música na vida deles. “A gente vê a autoestima dos pacientes se elevar quando o grupo vem, eles se animam. Quando eles estão aqui, a gente vê que os pacientes mudam, se alegram e interagem. Então, é bem importante”, falou uma técnica de enfermagem que preferiu não se identificar.

O Projeto
O Músico Terapia começou em setembro de 2017, quando os amigos Alisson e Djéssica atenderam ao pedido de uma moça que procurava voluntários para tocar em uma ocasião em um hospital. As apresentações continuaram acontecendo e aos poucos foram chegando novos integrantes no projeto.



Conciliando trabalho, estudo e outros afazeres, o grupo sente dificuldades em realizar as visitas com mais frequência por falta de mais voluntários. “A gente só não participa mais, por falta de pessoas”, diz Dora Makathiney.

Por isso, o Músico Terapia convoca interessados em fazer o bem pelo próximo. Não é necessário saber tocar algum instrumento, pois a única “exigência” é ter boa vontade. “O trabalho está aberto para todo mundo”, afirmou Marcos.

Os interessados no voluntariado podem procurar o projeto através dos telefones: (96) 98121-1896/98114-5975.

Tecnologia do Blogger.